sexta-feira, 31 de julho de 2015

25 restaurantes na Savassi com Sodexo Vale refeição

7 comentários
(22/03)Update: Adicionei mais 2 restaurantes na lista! :)



E aqui vai mais um post cheio de comida gostosa (algumas nem tanto...)!
A diferença é que, dessa vez, o post está organizado como um guia de lugares em que comi na Savassi (bairro aqui em BH) e que pude pagar com meu amado vale-refeição (melhor cartão do universo!).

Fica a dica então pra quem quiser passar por esses lugares...

Ah, por que 23 lugares? Isso porque os meses costumam ter entre 22 e 23 dias úteis, então, se quiser se dar ao luxo de visitar um por dia durante o mês, você já pode!

23/06
Dona Deja - R$17.45
Esse restaurante fica no fundo do 5a Avenida. Não gostei do atendimento nesse lugar. O pessoal da caixa vai passando vários cartões ao mesmo tempo e não sabe dar atenção ao cliente. A comida é variada, mas estava fria às 11.40. Tem algumas coisinhas diferentes das que encontramos regularmente em restaurantes self-service.


24/06
* Jardim Gourmet - R$9.67 
O lugar é bem amplo. O melhor é a promoção que vale uma limonada para todos os clientes que almocem antes das 12.00. Tem a opção de salmão no self-service, mas também pode-se pedir grelhado no balcão ao fundo:D


25/06

Fulldarin - R$20,65
Até esse dia Fulldarin era o único restaurante com comida japonesa que eu conhecia na região do pátio Savassi. Já esperava que fosse ficar caro, mas como ontem a comida foi mais barata que a média diária, decidi arriscar. O preço é para o prato, uma mini coca (R$2.50) e uma banana caramelada que vem grátis. A comida não é boa. Sério. O salmão parece recém-descongelado, daí fica com a textura bem estranha (além da cor esbranquiçada), e o arroz não tem gosto algum (e não é por ser comida japonesa, acredite.). O atendimento também foi "bleh", com a atendente falando ao celular ao mesmo tempo em que pesava os pratos...


26/06
* Hay Salsa - R$5.90
Eu já havia vindo nesse lugar, mas quando ele ainda tinha outro nome. Parece que mudaram a proposta, mas internamente ainda é a antiga pizzaria solitária da esquina da Savassi. O lugar serve pratos feitos e fatias de pizza, e qual foi a minha surpresa ao encontrar uma pizza de marguerita maravilhosamente deliciosa! O pedaço, além de barato, crocante, quentinho e muito saboroso, é suficiente para uma pessoa do meu tamanho! Hahaha Atendimento foi tranquilo. Pedi explicações do funcionamento do lugar e a moça foi sucinta (e rápida, do jeito que gosto auhahuauh). Enfim, fica mais uma opção.


29/06

Marietta - R$13,90
O Marietta fica dentro do Pátio Savassi, ao lado do banheiro da praça de alimentação. Eu já havia tomado o suco deles algumas vezes (e não gostei), mas nunca provara o sanduíche. Decidi pedir um de creme de Kani com peito de peru para levar e fiquei bastante surpresa com o peso e a consistência do sanduíche "leve". Ele me manteve satisfeita por mais de 4 horas e ainda precisei guardar o final que não consegui comer. O sabor também é muito bom, e o sanduíche não levou mais de 10 minutos para ser preparado e entregue.


30/06
*All Face - R$8.99
Mais um restaurante (e acredito que o último) dentro do 5a Avenida. Esse fica no último andar e traz um ambiente bem mais agradável que o Dona Deja. No Self-service tem várias opções de frutas e legumes (tinha Kiwi, morango e melancia dessa vez!) e uma variedade grande de carne. O atendimento foi tão ruim quanto o do Dona Deja, com funcionários encostados na parede com preguiça de trabalhar e caixa sem atendente.


01/07

Tia Eliane - R$18.90
Esperei 30 minutos para trazerem o filé de salmão com 4 acompanhamentos e o negócio ainda veio ruim. A atendente confundiu arroz com alho com cenoura na ervilha (?), mas deixei isso pra lá. O salmão estava gorduroso (MUITO MESMO), as batatas completamente murchas. A cenoura e a ervilha estavam ok (cozidas no vapor pelo visto) e o abacaxi bastante ácido. Fiquei decepcionada, tinha expectativas altas para o Tia Eliana por conta da fama dele :(


02/07

Rei do Pedaço - R$10.47 (295gr)
Mais um self-service. A comida aqui é gostosinha, nenhuma carne estava bem passada e havia até bastante fruta para eu escolher. Aparentemente colocam um chef espanhol na porta para preparar algumas coisas na hora, mas eu não quis arriscar e fiquei só no self service mesmo. Tem musica ao vivo na porta (bléh!) então optei por almoçar bem no fundo do restaurante. Estava bastante vazio às 11.50. (Passei mal durante o dia todo por conta da carne mal passada... provavelmente não volto aqui mais :( )


03/07
Pocket Burguer - R18.70 (com suco de latinha por R$4,50)
Essa hamburgueria funciona naquele esquema de escolha de recheios, no melhor estilo "monte seu lanche", apesar de ter alguns sanduíches já prontos à venda. Pedi um hambúrguer com pão australiano e recheio de cogumelos, sem carne. Ele foi feito rapidinho e servido na hora. O pão é imenso, muito diferente das propagandas espalhadas pelo local, e os atendentes estavam com bastante preguiça na hora de atender. O sabor é mais ou menos. A salada não tinha tempero e os cogumelos haviam sido apenas cozidos no molho, mas também sem sal ou qualquer tempero. O que salvou o sanduíche foi provavelmente o cheddar (que também não estava lá essa maravilha).


06/07
 Redentor - R$15.25 (4,90 cada 100g)
Acho que o self-service mais gostoso até agora. O atendimento é ótimo, o lugar agradável e a comida... meu deus, o que é a comida desse lugar? Tinha de tudo, desde quibe cru até salmão com alcaparra! Tinha morango, banana e uva em salada e alface com molho de maracujá. O arroz vinha em três opções diferentes e o salmão tanto assado como cru - ambos maravilhosamente bem preparados. <3


07/07

TokaiR$31.15 (com Chá gelado de limão)
Restaurante japonês a self-service caríssimo. Apesar disso é MUITO melhor que o Fulldarin, que comi uns dias pra trás. A comida é novinha e gostosa, e tem milhares de combinações não-tradicionais de sushi. Como o de arroz com salmão e geléia de maçã e o pãozinho na chapa com gergelim. A qualidade é realmente maravilhosa <3 Mas o preço não ajuda em nada. Só lembrando que eles são meio obsessivos com pimenta. Bom perguntar antes para não ter as sucessivas decepções que tive indo lá.


08/07
 Prot's Comida a quilo - R8.22 (4,90 o Kg)
Achei esse lugar meio que por acaso. Enquanto anda na rua não é tão fácil encontrá-lo, ainda mais estando ao lado de outros dois restaurantes super extravagantes. A comida aqui é super simples, e o clima totalmente caseiro. Nada de refinado, nada de muito diferente de arroz, feijão, bife e batata frita. A única vantagem (além do preço) é que dá pra pegar o wi-fi da prefeitura de BH, então tem internet de graça! Hahaha


09/07

Rococó - R8.50 
Mais um self-service de comida caseira. O lugar é pequenino e a variedade é bem pouca, mas eu me assustei com quão saborosa é a comida desse lugar. Os molhos e temperos são muito bons e compensam a pouca escolha que temos. Achei melhor que o Prots (restaurante de ontem), que fica bem próximo do Rococó.


10/07
Pizza PazzaR$18.50 
Pedi a pizza para levar dessa vez. Ela é gostosa, nada excepcional, e numa qualidade infinitamente pior que a do Hay Salsa que comi numa outra sexta-feira. A massa é muito pesada e o queijo forte, mas foi o suficiente para matar a fome na hora. Ah sim, por conta do Sodexo e do dia da pizza eu acabei ganhando uma luva de cozinheiro de brinde! Hahaha



13/07
 Laranjinha - R$8.35
Não gostei dos vegetais. A cenoura tinha gosto de palmito em conservas, o brócolis estava cru e parcialmente gelado, Tinha alguns molhos MUITO salgados no meio e nem o arroz salvou. Uma pena, já que o atendente (que deve ser o dono) foi bastante simpático comigo. Dá pra pegar o Wi-Fi da prefeitura também.


15/07
Salmon - R$7.77
Infelizmente não tenho mais a foto desse prato, o que é uma pena, porque ele estava maravilhoso! No self service havia várias e várias opções de frutas que só no meu prato eu coloquei kiwi, uva, manga e melancia. O lugar é pequeno, não tem wi-fi, e a comida é toda simples, mas ultra saborosa. Fui por volta de 11.40 e ainda estava bem vazio (o que é maravilhoso!). Volto aqui sim se a comida se mantiver nesse padrão de qualidade :D


16/07
Momo - R$14.97
Frequentei a Momo por muitos anos por conta das tortas (até enjoar do pão de ló), mas nunca havia experimentado o almoço. Posso dizer que só tive coragem de experimentar por conta do cartão refeição. E sim, valeu a pena. A comida é maravilhosa. As opções são maravilhosas. O preço é maravilhoso se comparado com a qualidade da comida. Comi desde salmão até batata frita e tudo estava delicioso! Não gosto muito do atendimento afobado da Momo, mas dessa vez deu pra dispensar. Só consegui pensar na comida, de todo modo.


17/07
ShollR$14.35
O lugar é um tanto confuso: Você entra num espaço que parece uma garagem e logo se vê jogado no meio de um grande galpão que não tem muitas instruções visíveis sobre como proceder ali dentro. A comida era boa, apesar de muito cara, e o pior eram os funcionários que ficavam te encarando o tempo todo. Eu descansei o garfo 3 vezes e por 3 vezes brotou um funcionário perguntando se eu já havia terminado de comer (??? PLZ NO.). A comida era boa, como já disse, mas nada excepcional. Os vegetais não estava muito bons, mas de resto eu gostei da variedade de frutas e opções. Não tenho interesse em voltar se é pra ficar sendo monitorada pelos funcionários apressadinhos. Tem wi-fi próprio :D


 20/07 

SoléaR$14.50
Esse restaurante estava tão escondido que só reparei que podia entrar nele depois que algumas várias pessoas começaram a se amontoar na porta. Ele funciona no esquema de "pague 14.50 e coma o quanto puder". A comida não é refinada ou cheia de firulas como em boa parte dos restaurantes daqui da Savassi, mas isso não significa que fique pra trás! O arroz é saborosíssimo, e o tempero da comida estava ideal. O que mais gostei, porém, foi o atendimento que recebi. O atendente foi ultra simpático e me indicou que eu tinha direito a refresco grátis, bolinho de chuva e café/chá após o almoço. Não só isso, o lugar tem ainda uma área pra dormir! Sério! <3 Gostei bastante desse Soleá, que aparentemente também funciona como casa de shows mais à noite. Aprovadíssimo!


22/07 
PomodoriR$14.80
Fui ao Pomodori sabendo da boa reputação da comida do local, mas os arrependimentos começaram logo na entrada do local. Os funcionários estavam todos bagunçados na porta, conversando e desorganizados. Demorou um tanto até me indicarem como funcionava o serviço e, assim que sentei e fiz o meu pedido. A fatia de margherita levou exatos 20 minutos pra chegar na minha mesa, pra não falar no copo sujo de molho de tomate (?) que tive de pedir pra trocar quando cheguei. A pizza era gordurosa, sem muito sabor e os tomates ridiculamente grossos. O atendimento foi péssimo, o 'gerente" do local ficava fumando na porta. Pra não falar na incômoda insistência dos funcionários para eu aceitar uma fatia de pizza de carne seca. A qualidade perde em muuuito pro Hay Salsa que comentei no passado, e não vale MESMO o preço cobrado. Uma fatia magra de pizza + refrigerante por 14.80 é um absurdo. (não tem Wi-fi! D:)


23/07 
Chale MineiroR$11.30
Esse lugar é super duper grande, o que me surpreendeu bastante porque passo sempre na porta e nunca havia reparado no local. A variedade de comida é enorme e, felizmente, existem opções de frutas e vegetais com uma fatura surpreendente. Apesar do arranjo confuso das coisas (o caixa fica depois de uma passagem pelo lado de fora, e a comida só depois de três ambientes da entrada), o local é até bem aconchegante. Agora, sobre a comida, eu não dei muita sorte. A passas ao vinho era puro vinho (muuuito forte o álcool!), o nuggets tinha gosto de morte (não sei o que era, estava péssimo) e o Kiwi estava azedíssimo. Fora isso estava tudo ok (hahaha!). Talvez eu tenha dado azar, até porque a cara da comida estava muito boa, por isso vou acabar experimentando uma segunda vez por lá (até porque, o preço tá lindo).


27/07 
Vila SaváR$14.50 (11.50 o prato sem carne + 3.00 o suco natural de laranja)
Achei o Vila Savá por acaso enquanto buscava algum lugar que estivesse aberto por volta das 11h. Da primeira vez acabei passando direto pela porta acreditando ser mais um dos milhares lugares que oferecem PF aqui na Savassi (que não vale a pena pra mim, já que geralmente sobra comida :( ), mas acabei entrando para encontrar um selfie service ultra simples. O preço original é de 14.50 com uma carne, mas como eu quis focar no macarrão e batata doce, sem carne, o valor do prato caiu pra 11.50. O lugar é calminho, com televisão e atendentes super simpáticas. A comida, apesar de simples, é bem temperada, e acho que pelo macarrão sem muito sal vale a pena voltar uma vez ou outra aqui sim.


15/03/2016
TrigopaniR$14.50 (O buffet de comida japonesa é separado e a 69R$/kg)
Eu já frequento esse supermercado há um tempo (e aceitam Sodexo para compras normais!) mas foi só nessa semana que descobri que serviam também almoço no andar superior. Daí eu separei um dia e corri para lá para descobrir o que tinha de bom. O restaurante deles ficam no andar superior, e tem uma área imensa com cadeiras e mesas bem juntinhas. As opções são bem fartas, com muita variação de vegetal, legumes e frutas e até carnes exóticas (coelho e uns peixes que nunca vi na vida). O preço é bem salgado, e não compensa pela qualidade da comida que é bem "ok", nada diferente da que costumo comer no 5a Avenida, por exemplo.

22/03/2016

Restaurante AlagoasR$8,50 (29,90 o Kg, com 10% de desconto para empresas. Tem o prato sem balança fixo a 12R$).
Eu só reparei nesse restaurante, que fica de frente para o 5a Avenida, nesse ano. No começo estranhei uma portinhola escondida em que pessoas subiam e desciam em silêncio e aparentemente desacompanhadas. Demorei uns bons meses até criar confiança para entrar ali e provar da promessa de economia de 6 reais se comparado onde como hoje em dia. A comida é bem gostosa, parece coisa feita em casa, mas o lugar não tem nada do requinte dos outros restaurantes da Savassi - o que acho ótimo, já que posso pegar o alface com a mão sem ser fuzilada pelos olhos das madames que almoçam no shopping. Não tinha peixe, nem opções vegetarianas, mas contavam com uma grande churrasqueira para carne feita na hora. O melhor do lugar, porém, é a vista de cima da rua Alagoas.

E é isso aí! :D
Conhece mais algum em que eu ainda não fui? Só avisar que, se meu saldo do Sodexo permitir, eu dou uma passadinha. ahuhauha

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Aprendendo como desenhar no Paint Tool Sai (1/16) - Interface

4 comentários
Ei gente! Esse mês eu peguei um curso de inverno para aprender como desenhar no Paint Tool Sai e, principalmente, aprender a colorir nele.

Eu já uso a ferramenta há uns bons anos, e migrei do Photoshop por motivos de: uso um netbook para desenhar. Sim, isso significa que o Paint Tool Sai é muuito mais leve e deve rodar em praticamente qualquer máquina (se rodou no meu netbook roda em qualquer coisa, sério.)

Daí comecei esse curso intensivão de 4 dias para aprender a lidar com o programa e conquistar algumas novas técnicas ;) (e para me obrigar a desenhar também).

Como referência, vou me desafiar a refazer o banner aqui do blog no Paint Tool Sai.


Ok, vamos começar então pelo começo...

Site oficial para download do programa

A primeira parte foi sobre a própria interface do programa. O melhor jeito de aprender, provavelmente, é pegando e arriscando nas opções. Por hora ficam algumas considerações importantes:

Como abrir um arquivo novo?
Você pode ir em File (F) > New(N).

O que são esses números no arquivo?
Aqui você pode escolher o nome do arquivo, uma resolução pré-definida, o tamanho (em pixels, cms, inches etc.) e a resolução. Recomendo sempre resolução 300 pixel/inch, por questões de segurança, caso você decida imprimir seu desenho ;)


Como salvar? O que são esses formatos?
Ctrl + S ou File(F) > Save.
O Sai tem um formato específico chamado .sai em que ele guarda o documento com a informação deixada (camadas, cores, uso de caneta de formas etc.)

Como escolher cores?
Usando a Color Wheel na parte superior. (Veja a imagem abaixo)

Como personalizar a interface?
Và em Window(W) e selecione as opções de sua preferência.

E bem, falando em interface, nada que eu fizesse seria tão prático quanto essa imagem aqui:


Canvas é onde você desenha. Layer são as camadas do seu desenho.Tools são as ferramentas do programa, e Color wheel é onde você vai pegar as cores.

E alguns atalhos úteis (que são padronizados em boa parte dos programas):

Ctrl + O = Abrir
Ctrl + S = Salvar
Ctrl + Z = Desfazer
Ctrl + Y = Refazer
Ctrl + A = Selecionar tudo
Ctrl + D = Selecionar nada
Ctrl + Alt + mover o cursor = Alterar o tamanho do brush
Esc = Cancela comandos ativos
Delete = Gira a tela
Segurar o Shift no momento da regulação do tamanho de uma imagem = Manter proporção

E... bem, acho que para introdução é isso :D
O ideal é pegar e ir testando, só assim você vai aprender de verdade como usar esse programa.
No próximo post eu começo a comentar de algumas ferramentas mais específicas \o/

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Grupo Taverna - Conservatório UFMG

Um comentário
No dia 23 de junho aconteceu no Conservatório UFMG uma apresentação do Grupo Taverna.


Até então eu não conhecia esse grupo (shame on me!) e fiquei muito feliz de ter tido a oportunidade de ouví-los tão de pertinho <3

 A apresentação foi uma gracinha, de verdade. Além da voz maravilhosa da cantora (e dos cantores), eles têm todo um trabalho de interação com a platéia que fez com que levassem meu coração!


Não só isso, recebemos logo ao início do espetáculo um "guia" em enroladinho e amarrado com corda contendo o nome dos integrantes de a lista de músicas que seriam cantadas naquela noite:

Clique para ampliar


Para os curiosos, a playlist da noite foi a seguinte:
2. Drunken Sailor *minha favorita!
Encore: 10.  Scarborough Fair

Siiiimm! Tivemos um encore maravilhoso com Scarborough Fair - maravilhosamente bem interpretada pela vocalista <3

Agora é seguir o grupo na página deles e esperar as próximas oportunidades de shows e apresentações!

sábado, 18 de julho de 2015

Progresso - Stiltzkin (FFIX)

2 comentários
Essa semana eu participei da Collab de 15 anos de Final Fantasy 9, e acabei ficando com o personagem Stiltzkin.
 Para quem não sabe, esse é o meu FF numerado favorito ever! <3 Então estava bastante ansiosa pra tentar algo :D
Primeiros rascunhos e composição \o/ 

Finalização e lineart (confesso que não gosto quando o desenho tá limpo...)

Frustração com as cores que eu não acertava. ahuhuahau

Ainda frustrada, botei tudo preto e branco e enchi de filtro pra ver se resolvia.

Enfim, último desenho! uhauhahua Fiquei muito frustrada com minha inabilidade com cores e contrastes, mas enfim, foi essa minha peça. Vou pegar o modelo sem a lineart finalizada depois e tentar recolorir pra ver se consigo dar um jeito... xD

Sobre trabalhar de Cosplay

2 comentários
(Eu ia usar "com" cosplay no título, mas daí pareceria que eu estou trabalhando com a confecção de Cosplay - o que não é o caso, ahuhuauha)

Nesse mês eu e alguns amigos fomos chamados para trabalhar (usando cosplay) na promoção de uma loja em um shopping. Isso me fez me lembrar das centenas de vezes que vi pessoas na internet reclamando a respeito do Hobby não poder ser algo rentável, e essas coisas de definição de regras aleatórias que volta e meia surgem por aí. Lembrei também que tem muita gente interessada em ganhar dinheiro no final de semana (oi) pra alimentar o hobby e não sabe como fazer.

Meu post provavelmente não é sobre nada disso, mas vou contar de duas vezes (de quatro, se não me engano) em que trabalhei usando cosplay e deu algum lucro. Talvez sirva pra alguém.

Em festa infantil
Acho que essa modalidade é a mais comum, e cada vez mais vemos gente do meio cosplay bandear pra esses lados.

Da última vez eu trabalhei em uma festa infantil com temática de Star Wars, e eu e uma amiga fomos de Leia e Han Solo.

A média da idade das crianças era algo em torno de 7 a 9 anos, então acho que já dá para ter uma noção da agitação que foi esse dia.

Nosso dever era manter as crianças entretidas durante toda a tarde (foi de 15 às 21 mais ou menos) e cuidar para que não se machucassem durante todo o processo. Pra isso pensamos em algumas atividades como construção de máscaras e sabres de luz de esponja de piscina (que daí não machucaria ninguém... imagina 15 crianças correndo com sabres por aí...?). A festa foi na cobertura de um apartamento, então tínhamos condições de manter os olhos bem abertos em todo mundo o tempo todo...!

Você deve estar pensando: Nossa, ficar brincando com crianças o dia todo, dinheiro fácil!
Na na na, no no no! Pode ir parando por aí, que de fácil não tem NADA!

Saímos no final do dia completamente exaaaaustas, desejando nossas camas e um segundo de repouso. huahuaahu Manter crianças entretidas não é algo exatamente fácil, mas demos sorte que elas gostaram da gente  (haha!) e ficavam o tempo todo pedindo pra fazermos penteados da Leia (que desfaziam dos cabelos lisos xD) e maquiagem dos personagens de Star Wars (que escorriam porque elas ficavam correndo por aí!). Mas não é raro ver princesas que fazem verdadeiras performances dubladas em festas infantis por aí e as conquistam instantaneamente.

Hoje em dia é mais comum as pessoas se filiarem a empresas de festa infantil, que dão estrutura e algumas várias garantias que trabalhar como autônomo não dão. Daí vale a pena procurar saber mais a respeito antes de se aventurar nesse mundo :P

Ah sim, e se tem de gostar de crianças pra trabalhar assim?
Eu diria que sim.
Muita gente vai discordar de mim, mas acho que fazer esse tipo de serviço sem gostar de interagir ou brincar vai tornar a experiência literalmente insuportável para você. Principalmente porque muitas das crianças realmente acreditam que você É o personagem, daí saber entrar na jogada e ter destreza pra realmente SER o que ela espera pode exigir um tanto mais do que você imagina.

Em Shoppings
Já trabalhei entregando coisas em shopping e fazendo promoção de lojas algumas várias vezes, mas de cosplay foi a primeira vez que tentei algo do tipo.



A diferença? O cansaço.
De cosplay é muuito mais cansativo. Imagino que por conta da peruca (?) ou talvez (no meu caso) os sapatos (?), ou quem sabe é a expressão que você precisa manter para as fotos (?). Não sei ao certo, só sei que entregar panfletos vestida com blusa larga e legging preta (padrão, ahuhuahau) cansou muito menos, mesmo eu trabalhando muito mais horas.

Para trabalhar em shopping são duas opções: indicação de alguém ou filiação a empresa de "personagens vivos" / cerimoniais (devem existir outras maneiras, mas confesso que não as conheço). Daí o tipo de trabalho vai variar de acordo com o objetivo da promotora: entregar panfleto, distribuir brindes, jogar com as pessoas algo, conversar e explicar os serviços, fotografar, dar instruções etc e tal. É uma infinidade sem tamanho de variações dentro de shoppings!

No final de semana eu "só" precisei andar pelo shopping, interagir com algumas crianças e depois tirar fotos. Se cansou? Cheguei em casa, tomei um banho e apaguei por mais de 10 horas...


Por fim...
Mas acho que ficam algumas dicas pra quem ainda pensa em fazer uns bicos assim:

1. Nas primeiras vezes é comum arranjarmos esse tipo de trabalho por indicação de algum amigo ou conhecido, e daí a coisa é bastante informal. Mesmo assim, é importante discutir antes todos os termos do trabalho: Horário de entrada e saída, o que será feito, horários de pausa e alimentação, o que pode e não pode, quais as condições oferecidas, etc e tal. Caso o trabalho venha a ser prestado para uma empresa, peça um contrato que especifique todas as atividades, deveres, direitos e compromissos acordados.

2. Leve provisões. Sério, água, comida, analgésicos e qualquer outra coisa que você acredite que possa vir a precisar. A garantia de que você terá acesso a esses items é muito melhor do que depender da disponibilidade no local de trabalho.

3. Procure saber o máximo possível sobre a pessoa interessada. Caso você não a conheça, pergunte para contatos e amigos a respeito do tipo de serviço que essa pessoa geralmente desenvolve. É melhor para sua segurança :)

______

E acho que é isso!
Alguma dúvida? É só perguntar :D

sábado, 4 de julho de 2015

Carmen: A ópera mais decepcionante da minha vida

Nenhum comentário
Domingo passado (28) eu fui ao Palácio das Artes assistir à Ópera Carmen (omg, uma ópera que não é de Verdi no Palácio! Uau!). Para quem não sabe, essa é uma das minhas histórias favoritas para ópera e uma das únicas, que não é em inglês, em que sei as letras de cor.



Se você tem minha idade e acha que nunca ouviu falar antes de Carmen, sugiro que relembre esse episódio de Hey Arnold! :)


(A partir do minuto 3.24)

Bem, acontece que essa versão que saiu no Palácio das Artes era uma versão adaptada para caber em duas horas de espetáculo (sem intervalo, uma peça dessas leva uma média de 2h e 40) e remontada em comemoração aos 140 anos da peça. Eu não esperava um espetáculo com fogos, vestidos bordados, cenário rotativo e malabarismo, até por que o preço era maravilhoso demais para uma ópera na reputação de Carmen (50R$ inteira).


As surpresas (não tão boas assim) já começaram com o abrir das cortinas.
Um narrador...! Veja bem, um narrador em Carmen! Tentei entender exatamente o que se passava, mas o texto e as imagens confusas que decidiram passar ao fundo (senti que foi um misto de Inhotim com... sei lá o quê) acabaram com a voz e desenvoltura maravilhosas do narrador, que não conseguiu salvar aquele começo bagunçadíssimo de ópera.

A segunda coisa bizarra começou com a Carmen.
A primeira música estranha foi... Habanera. Mas não bastou ser Habanera-solo a introdução da personagem nessa ópera, era um palco sem cenário, sem mulheres, sem pessoas, com um coral oculto, com imagens aleatórias passando no telão e.. Carmen? Não entendi o que se passou com a mezzosoprano naquele momento. Ela estava... parada! Ela agitava as mãos como dança do ventre, balançou um pouco os quadris, mas nada de sensualidade cigana. Nada de depravação, nada de volúpia, nada de Carmen, enfim. Como se não bastasse, a voz da cantora simplesmente não saía. Eu estava na quarta fileira e tinha de fazer força para entender as sílabas. Não havia atitude em sua voz e, portanto, o espetáculo estava morto para mim. Não havia como assistir Carmen sem Carmen.

Caso queira ver uma interpretação e voz maravilhosa de Carmen, aqui vai uma de referência. (existe uma brasileira que cantou com André Rieu também, a voz dela é fabulosa!)


Ah sim, a adaptação também misturou elementos de balé (achei interessante, roubaram quase todas as cenas e comecei a desejar ter pago por um espetáculo de dança moderna do que por aquela ópera - mesmo que eu realmente não goste de dança moderna- ) e o coral infantojuvenil (que brilhou! Tive a impressão de que eram os únicos que se divertiam com a ópera lá no palco).  O Coral Lírico também foi espetacular (principalmente na música do toreador), uma pena que ficaram ocultos e marginalizados. Tivessem sido incorporados ao cenário como NPCs teriam feito muito mais sucesso ali.


A responsável pela Micaela foi muito mais encantadora que a própria protagonista.
E Escamillo foi, sem sombra de dúvida, o melhor momento da ópera.

Falando em Escamillo, ele foi interpretado por Licio Bruno, que eu já vi brilhar no palco com outros personagens como na ópera  A Viúva Alegre. Sem dúvida alguma foi ele quem me manteve desperta durante todo o espetáculo.


O figurino, de maneira geral, era triste. E só isso que tenho a dizer.
Carmen só pareceu Carmen quando trocaram sua roupa ao final do espetáculo.
Para quem havia acabado de assitir a Rigoletto no palácio, chegar e deparar com Carmen despida das cores quentes foi um choque doloroso.

(O tempo que quiseram economizar com a ópera pareceu todo ser gasto com aquela tela aleatória ao fundo.)


Resumindo, Carmen, uma composição francesa, conta a história de uma cigana super sensual que acaba criando um triângulo amoroso entre um toureador e um soldado. O que eu vi aquela noite no palácio não foi, nem de perto, um triângulo amoroso. E o momento trágico que eu esperei tanto ao final, não veio. Ao invés disso senti-me infinitamente aliviada quando as cortinas fecharam, mesmo que decepcionada por terem comido também o último ato, deixando Don José matar Carmen como se... como se só fosse isso mesmo.

Fiquei um tempo ainda no salão para ouvir os burburinhos do pós-ópera e não me surpreendi ao ouvir dezenas de frases negativas com relação ao espetáculo. Desde "não entendi" até ofensas mais calculadas.

E assim foi a primeira ópera do ano... :(
A ópera Frankenstein.

Caso queira ver a versão completa da ópera, recomendo esse link.Vá lá e seja feliz.